MP acusa deputado afastado de Silva Jardim por fraudar licitação

Ex-prefeito teria favorecido empresas que prestaram serviços no carnaval 2013

O ex- prefeito de Silva Jardim, Wanderson Alexandre, obteve mais uma derrota na Justiça. Dessa vez, ele e outras 13 pessoas foram acusadas de fraudar licitação do Carnaval 2013, no Município. Além dele, foram arrolados no processo sua esposa Viviany Alexandre, que na época ocupava uma das secretarias de Governo. Estão denunciados ainda a ex-procuradora do município Sheila Moreth Trugilho, e ex-secretários, além de outros servidores e representantes legais das empresas envolvidas no esquema.

Em atendimento ao pedido do MP, a Justiça determinou, em 2 de setembro, o afastamento de todos de funções pública do ex-prefeito. Atualmente, Wanderson é deputado estadual, mas está afastado do cargo em razão da decisão. Da mesma forma, os empresários que teriam participado do esquema tiveram suas atividades suspensas.

Como consta dos autos do Procedimento Prévio Investigatório nº 2016.00180797,no primeiro ano de mandato de Wanderson, segundo o MP um esquema de fraudes foi forjado para beneficiar as empresas  Terra Nova Produções e Eventos Ltda., Atha Comércio e Serviços Ltda. ME, CRV Comércio e Serviços Ltda. EPP para que prestassem serviços durante o Carnaval.

Aponta a denúncia que a contratação das sociedades empresárias Terra Nova Produções e Eventos Ltda., Atha Comércio e Serviços Ltda. ME e CRV Comércio e Serviços Ltda. EPP foi feita às pressas e sem a observância dos trâmites previstos em lei, o que resultou em contratos que, somados, chegaram a aproximadamente R$ 270 mil. As diversas irregularidades verificadas no procedimento licitatório demonstraram que o mesmo efetivamente não foi realizado, e que as vencedoras do Pregão foram escolhidas por meio de prévio ajuste entre os denunciados, com forte indício de formação de quadrilha.

Leia Também

Análise do TCE poupa Rio das Ostras de gastar quase 4 milhões a mais em serviços de coleta de lixo

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) ajudou Rio das Ostras …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *