Justiça suspende pesquisas suspeitas em Iguaba Grande

Município tem eleição suplementar marcada para o próximo domingo 

A juíza Maira Valéria Veiga de Oliveira, da comarca de Iguaba Grande, deferiu pedido de liminar impetrado pela Coligação “Avança Iguaba Grande” e suspendeu na terça-feira (28) todas as pesquisas eleitorais promovidas pelo candidato a prefeito Washington Luiz Tahin Moreira, do PSL.  Segundo as denúncias, Tanto Washington como seu candidato a vice, Lincoln Barbosa, ou “Suboficial Lincoln”, participam de uma fraude cujo objetivo é “a produção de pesquisas simultâneas”. 

Estatístico – As vésperas das eleições suplementares do dia 2 de junho, o eleitor de Iguaba assistiu em menos de uma semana cinco pesquisas eleitorais promovidas  pela Coligação de Washington, “Missão Dada é Missão Cumprida” (PSL-SD), registradas entre os dias 21 e 24 de maio.  A primeira delas, realizada pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa Opinium (IBPO) registrada na justiça eleitoral com a inscrição RJ 07437/2016, no dia 21, custou R$ 21 mil;  ouviu 400 pessoas; foi iniciada no dia 24; finalizada no dia 25 e divulgada no dia 27. A pesquisa seguinte (RJ 09781/2016), da Mídia Pesquisa de Opinião Pública e Marketing custou R$ 4.500,  foi registrada no dia 23, quando também foi iniciada; ouviu 306 pessoas; foi concluída no dia 25 e divulgação prevista no  dia 29. A terceira (RJ 00229/2016), registrada no dia 24 pelo IBPO, tem previsão de divulgação para amanhã (30); consta que o número de entrevistado é 300; custou R$ 18 mil. 

 A quarta  pesquisa (RJ 03379/2016), da Telescópio Pesquisa Inteligente, iniciou-se no dia 20; terminou no dia 23. Também tem previsão para ser divulgada no dia 30 e custou R$ 6.800.   A última, da Inteligence Serviços tem previsão de divulgação para o dia 2 de junho, dia das eleições. O registro foi feito no dia 27 (RJ – 01446/2016) ; iniciada no dia 25 e finalizada no dia 26. Custo: R$ 18 mil. 

Duas dessas pesquisas foram impugnadas no dia 26 de maio: RJ – 09781/2016 e RJ – 03379/2016, ambas pela Mídia Pesquisa de Opinião Pública e Marketing . Com exceção da última, as quatro pesquisas foram assinadas por um único estatístico: Augusto da Silva Rocha. 

_ Estranhamente depois dessas impugnações na mesma data foi protocolada  a quinta e ultima pesquisa, da Inteligence Serviços. Finalmente encontraram outro estatístico: Marcio Bartolomeu Azevedo da Costa. O que chama atenção é que essa última, apesar de possuir estatístico diverso das outras quatro, possui questionário similar, seria exato se não contivesse a palavra “Inteligence”, enquanto nas demais do Opinium consta o nome “Opinium”. Gritante similaridade -, ironizou o advogado Paulo Maurício Mazzei, representante da Coligação “Avança Iguaba Grande”.

Mazzei enfatiza que Augusto da Silva Rocha, conforme reportagem da Revista Época, foi responsável por 191 pesquisas eleitorais em 2018. Segundo a revista, um de seus clientes foi suspenso pelo TRE do DF porque a pesquisa encomendada era “enviesada”: Referiam-se a um único candidato. Também na mesma matéria, de 11 de outubro passado, Rocha trabalhou para um instituto de pesquisa cujo dono, José Juvenil Coelho, fora condenado a dois anos de prisão por crime eleitoral. “Nas eleições de 2006, o Instituto Phoenix, de Rondônia, registrou uma declaração em que afirmou que determinada pessoa seria o estatístico responsável por uma pesquisa. A justiça considerou que o documento era falso, mas o crime prescreveu e Coelho não teve de cumprir pena”.

Desconfiança – A suspeita é que a profusão de pesquisas eleitorais em tão curto tempo visa à manipulação do eleitorado . Diante disso, no mesmo pedido de liminar, Mazzei também requereu que fosse instaurada Ação de Investigação Judicial Eleitoral. Com isso, espera-se que a justiça eleitoral  puna Washington Tahin e Cabo Lincoln com inelegibilidade por oito anos, cassação de registro de candidatura e caso, o julgamento dessa ação ocorra após o pleito e em caso de eleição deles, seja também cassado o diploma e consequentemente o mandato. 

Leia Também

Presidente da Câmara de Araruama explica valor do combustível que é pago pelo legislativo

A veiculação pela imprensa de que a Câmara Municipal estaria comprando combustível para abastecer sua …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *