Crise na Educação de Silva Jardim faz professores virarem merendeiras e alunos ajudantes de faxina

Prefeita de Silva Jardim, Maria Dalva Silva do Nascimento. Foto: Divulgação

Se quiserem estudar, alunos precisam trabalhar. Estudantes da rede municipal de Silva Jardim são obrigados a limpar escolas, enquanto professores arregaçam as mangas fazendo merendas e limpando salas de aula. O fato foi denunciado há duas semanas por pais de alunos, inconformados com a situação caótica da Educação.
“Minha filha me disse que no final da aula, os professores pedem ajuda na limpeza do colégio porque não tem ninguém para limpar. Ela também me disse que são as professoras que fazem a merenda das crianças”, revelou Eginaldo Ferreira da, pai de uma das alunas.
A causa do problema está vinculada a falta de funcionários no setor. A prefeitura, alegando falta de dinheiro, encerrou contrato com uma empresa responsável pela manutenção de serviços em sua rede municipal dentro do prazo previsto na Lei 8666/93, a Lei de Licitações. . O problema é que por conta da falta de recursos, não se sabe quando o município contratará outra empresa. A desculpa para isso é a redução de quase à metade no repasse de royalties do petróleo. Dos R$ 33 milhões aguardados via repasses da Agencia Nacional de Petróleo (ANP) apenas R$ 19 milhões chegaram aos cofres municipais. Para compensar o prejuízo dos alunos, o município diz que vai utilizar funcionários efetivos para reduzir o problema nas escolas.
Enquanto soluções não ocorrem, a rotina dos alunos é afetada. “Nossas crianças saem cedo, perdem matérias. Depois, na hora de passar dever no quadro, a gente sabe que o professor faz as cobranças e as crianças não têm tempo para recuperar a matéria”, disse Maurícia Leite, mãe de aluno.
Segundo a Prefeitura, não há conhecimento de que professores estariam assumindo atividades de limpeza e merenda. Disse ainda que isso se configuraria desvio de função e fere o estatuto do servidor.
Uma professora que não quis se identificar resumiu a situação.
“Nós professores tivemos que ir pra cozinha fazer desjejum, limpeza, varrer, passar pano. É uma falta de respeito, comigo e com os alunos, que são prejudicados, desabafou.
Os problemas na rede escolar não param por aí. Por conta da precariedade no transporte escolar, os alunos acabam perdendo aulas. Há denuncias de que eles ficaram quatro dias sem aula, recentemente. A prefeita de Silva Jardim,  Maria Dalva Silva do Nascimento, não foi encontrada para falar sobre o assunto.

Leia Também

Rio das Ostras garante prioridade especial a idosos com mais de 80 anos

A terceira idade é valorizada em Rio das Ostras e vai além do que determina …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *