“Cine Holliúdy” é a nova aposta das noites da Globo

Série cômica tem 10 episódios e terá como cenário a pacata Pitombas, no sertão cearense

Olegário (Matheus Nachtergaele) é o típico político populista, acostumado a levar o povo na lábia. Olegário não é mau, só não é muito correto. Afinal, ele sabe que o caminho que leva à honestidade é cheio de atalhos / Marcos Rosa-RG

Na noite desta terça-feira, a Globo estreia mais uma novidade em sua programação. Trata-se de “Cine Holliúdy”, série de Marcio Wilson e Claudio Paiva, baseada no longa-metragem homônimo escrito e dirigido por Halder Golmes. A atração tem 10 episódios e conta com participações especiais de Ney Latorraca, Chico Diaz, Miguel Falabella, Ingrid Guimarães, Falcão, Tonico Pereira, Bruno Garcia, Rafael Infante, Rafael Cortez, entre outros.

O cenário de “Cine Holliúdy” é a pacata Pitombas, no Ceará. Com passo mais apressado e um jogo de cintura típico de um cabra desenrolado, Francisgleydisson (Edmilson Filho) tem uma sede de viver que faz jus ao calor da cidade. É dele a atração cultural mais vista – e também a única – da cidade: Cine Holliúdy, lugar capaz de aglomerar o povo local em filas para assistir aos seus filmes.

Com tamanho sucesso de seu empreendimento, Francis acha que já está ficando rico com tanto ingresso vendido e tanta gente se amontoando na porta do cinema. Seu parceiro de trabalho e de presepadas atende por Munízio (Haroldo Guimarães), um cara um tanto atrapalhado, mas que é pau para toda obra. Acontece que as reviravoltas e o fator surpresa não são exclusividade dos filmes que ele exibe na telona e, quando menos espera, leva dois golpes no meio da fuça. Ou melhor: um no bolso e outro no peito.

Isso tudo provocado pelo prefeito Olegário (Matheus Nachtergaele), político de pompa que manda e desmanda na cidade com uma prepotência diretamente proporcional ao tanto que é frouxo. Quem vê o mandachuva falar grosso no gabinete não imagina a doçura dele quando se dirige à nova esposa, importada diretamente de São Paulo. Maria do Socorro (Heloísa Perissé), ou “Currinha” para o apaixonado prefeito, chega a esse fim de mundo trazendo na bagagem a filha, Marylin (Letícia Colin), e o desejo de ser uma primeira-dama do futuro.

O que essa presepada toda tem a ver com Francisgleydisson? Muita coisa. Pois foi só a tal de Marylin chegar esvoaçando seus cabelos platinados e um nariz em pé de estrela de cinema que essa imagem bate direto no coração do cinemista. Até aí, não seria um grande problema para ele. Não fosse o fato de que é ela quem fica aperreada pedindo ao prefeito que trate de comprar uma televisão para se distrair enquanto sente saudade da cidade grande. O prefeito, aquele que tem mais medo da mulher do que de ter suas falcatruas descobertas, só faz obedecer a Maria do Socorro. Com medo de ser acusado de desvio de verbas, Olegário traz a televisão e a coloca em praça pública e a população, agora, só quer saber do romance das novelas.

Com tudo isso de novidade brotando em Pitombas, Francis não tem tempo nem para respirar tamanho é o medo de ficar mais liso do que já esteve antes. É então que ele teve uma ideia arretada para encarar de vez a chegada da TV e suas novelas por ali.

Já que o povo não quer mais saber dos filmes estrangeiros que Francis exibe no Cine Holliúdy, chegou a hora de fazer suas próprias obras. Com ele, não tem essa história de roteiro, falas, planejamento… é tudo na base do improviso. Como recurso não é coisa que se tem em fartura, o moço tem de contar com a ajuda do seu sempre fiel amigo, Munízio, e de Marylin, já que ela tem até nome de estrela, o que pode dar um charme a mais aos filmes.

Enquanto ele se consome em maneiras de fazer um filme melhor que o outro, a vida na cidade não para. O prefeito Olegário e seu assessor, Seu Jujuba (Gustavo Falcão), ficam às voltas com a oposição de Seu Lindoso (Carri Costa), dono do “armazeco” (uma mistura de armazém com buteco) e marido de Dona Belinha (Solange Teixeira). Para vencer a corrida eleitoral, vale até disputar quem é que vai dar mais televisões para o povo de Pitombas. Em meio a tanto furdunço, ninguém melhor que o delegado Nervoso (Frank Menezes), que preza mais pelos fios lustrosos de sua peruca e por seu bode amostrado do que pela segurança da população pitombense, para mandar prender e mandar soltar, não necessariamente nessa ordem, quem estiver atrapalhando sua paz.

Com certeza, vale à pena conferir e dar boas gargalhadas!

Quem é quem!?

 FRANCISGLEYDISSON (Edmilson Filho) – Sonha em ser o Chaplin do sertão. Apesar de não ter diploma, é um grande conhecedor da Sétima Arte. É o dono do único cinema de Pitombas, o Cine Holliúdy.

 MUNÍZIO (Haroldo Guimarães) – É o melhor amigo e companheiro de todas as horas de Francis

 MARYLIN (Letícia Colin) – Linda que só vendo, mas também pra lá de invocada, é uma paulista moderninha que curte o lado vanguardista dos anos 1970.

 OLEGÁRIO (Matheus Nachtergaele) – Típico político populista é bem escorregadio. Dono de discursos prolixos e cunhador de curiosos neologismos, ao clássico estilo nordestino.

 MARIA DO SOCORRO (Heloísa Perissé) – Primeira-dama, ela mudou-se de São Paulo com a filha para viver ao lado do prefeito de Pitombas.

 DELEGADO NERVOSO (Frank Menezes) – É desses belicistas de almanaque, que sabe tudo de guerras, exércitos, armas, mas nunca deu um tiro na vida.

 JUJUBA (Gustavo Falcão) – O atrapalhado assessor e motorista do prefeito. Tem uma índole honesta e vive questionando a ética na política, para irritação do seu patrão.

 LINDOSO (Carri Costa) – É dono do “armazeco”, uma mistura de armazém com boteco, no qual todos da cidade batem ponto.

 BELINHA (Solange Teixeira) – Esposa do dono do “armazeco”.

 

Leia Também

Os homens descobriram as maravilhas dos tratamentos estéticos

Os homens estão cada vez antenados e interessados nos tratamentos para pele, cabelos e corpo. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *